"We Can All Do It" - Representatividade / Abril 2016

“Representatividade” | Abril 2016

Ora aqui estamos outra vez. O Clítoris da Razão está de volta!

A nossa última edição foi há 6 meses e desde ai passámos por um processo de reestruturação do projecto por haver mudanças na equipa de coordenação.

Estamos a tentar construir um projecto cada vez mais estável e com planos de futuro.

Leslie Knope (Parks and Recreations)
Leslie Knope em “Parks and Recreations” // “Nós estamos todxs a tentar encontrar o caminho certo para nós enquanto indivíduos deste planeta”

Já agora, sabias que te podes juntar a nós e dar a tua voz ao nosso projecto?

Mas passemos a falar do que se passou em Abril e o que a nossa equipa de Colaboradorxs criou.

Primeiro que tudo, dedicamos este nosso regresso ao tema da Representatividade.

Quando começámos este projecto queríamos criar um espaço de debate feminista, mas o tempo e a experiência mostrou-nos que temos muito ainda a aprender. E essa aprendizagem começa por ouvir outras vozes e experiências que muitas vezes não têm acesso ao espaço público.

Porque defendemos uma análise interseccional das opressões e porque queremos um feminismo inclusivo onde existe efectiva representatividade das diferentes que enriquecem este nosso planeta.

Mas antes de tudo, nada melhor do que rever de onde surgiu o projecto d’ O Clítoris da Razão: este mês a Filipa Bule decidiu entrevistar a equipa fundadora e tentar perceber quais são os planos de futuro para este projecto. Lê aqui: “O Regresso do Clítoris: O projeto, xs criadorxs, os conteúdos

A seguir passamos para o artigo que a Margarida Henrique escreveu sobre a polémica que se levantou nas redes sociais portuguesas depois do Bloco de Esquerda ter proposto que o Cartão de Cidadão se passasse a chamar Cartão de Cidadania, apelando à necessidade uma linguagem em que a representatividade dos vários géneros não seja apagada pelo “neutro” masculino. Lê aqui: “A polémica do “Cartão de Cidadania” é razoável?

Outra das notícias que encheram as timelines das nossas redes sociais foi o processo de impeachment  da Presidenta Dilma Rousseff no Brasil.

Para quem ouviu falar mas ficou assoberbadx com a quantidade de memes e com quase inexistência de análises compreensivas nos meios de comunicação portuguesa, temos dois artigos que abordam a questão. Ambos obra de activistas brasileiras, convidadas a dizer na sua voz o que significa  todo este processo.

A Nicole Geovana, uma activista brasileira a residir em Portugal e militante da Marcha Mundial das Mulheres, fez uma análise do que este processo de impeachment significa para os direitos das mulheres e das minorias sociais brasileiras. Lê aqui: Brasil: um impeachment aos direitos civis?

Mas para perceber o que levou a todo este processo, que entre jogo político, golpe de gabinete e uma dose elevada de misoginia, classismo e conservadorismo, faz parte de uma história política conturbada.

Assim, na voz de duas activistas brasileiras, Giovana Capucim e Silva e Paula Botafogo Caricchio Ferreira, apresentamos uma análise “resumida” das origens de um dos momentos mais caóticos da política brasileira nas últimas décadas. Lê aqui: “O Impeachment de Dilma Para Totós” 

[em actualização]

Para finalizar: o nosso Consultório de Civilidade Para Meninxs está à procura de novas questões acerca de sexualidade, erotismo, contraceptivos, brinquedos sexuais entre outras coisas para serem respondidas pela nossa fantástica Carmo Gê Pereira. Podes enviar as tuas dúvidas para o nosso formulário anónimo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *